Xantoma Gástrico

  • 0
Xantoma Gástrico

Xantoma Gástrico

Os xantomas gástricos, também denominados xantelasmas ou ilhas de lipídios, são pequenos nódulos ou placas de coloração branco-amarelada que, na microscopia, representam grupos de macrófagos com citoplasma repleto de vacúolos com conteúdo lipídico (colesterol esterificado em todos os casos, associado a triglicerídeos em alguns casos), sem figuras de mitose ou atipias celulares, na lâmina própria da mucosa gástrica. Na maioria dos casos são lesões únicas, geralmente encontradas nas regiões do antro e piloro, especialmente ao longo da pequena curvatura, mas já foram descritos no esôfago, duodeno e jejuno.

A incidência dos xantomas na população geral é usualmente menor que 1% (podendo atingir 18-60% nos indivíduos submetidos à ressecção gástrica por úlcera péptica), aumentando com a idade, com picos a partir do 40 anos. É raro em crianças, sendo encontrado apenas dois relatos na literatura.

Xantoma Gástrico

Endoscopia mostrando xantoma gástrico

Sua patogênese não é conhecida. Na maioria dos casos, os xantomas são encontrados no estômago apenas quando há alterações patológicas, tais como, gastrite crônica, metaplasia intestinal, gastrite atrófica, úlcera gástrica, infecção pelo Helicobacter pylori, refluxo biliar ou gastrectomia parcial, favorecendo a teoria que a destruição celular secundária a inflamação crônica conduz ao acúmulo de ácidos graxos e colesterol com aparecimento dos xantomas. Apesar da constituição lipídica, a maioria dos estudos não mostra correlação entre o aparecimento do xantoma e hipercolesterolemia ou diabetes.

Sintomas

Um terço dos pacientes com xantoma gástrico é assintomático. Quando presentes, as manifestações clínicas são inespecíficas e muito variáveis e incluem plenitude pós-prandial, anorexia, náusea e dor epigástrica (dor no estômago). Porém, a relação de causa e efeito entre a lesão e os sintomas permanece duvidosa.

Diagnóstico

Endoscopias seriadas mostram que os xantomas podem permanecer inalterados, diminuir de tamanho ou até desaparecer em um período de dois anos. Mesmo não apresentando relação com o câncer gástrico, o diagnóstico histológico preciso é fundamental, uma vez que os vacúolos lipídicos podem ser confundidos com células de anel de sinete de um câncer superficial. Para que isso não ocorra, utiliza-se o corante PAS, que não cora os vacúolos lipídicos.


Bibliografia
1. Terruzzi V, Minoli G, Butti GC, Rossini A. Gastric lipid islands in the gastric stump and in non-operated stomach. Endoscopy 1980;12(2):58-62.
2. Naito M, Miura S, Funaki C, Tateishi T, Kuzuya F. Gastric xanthomas in the elderly. Nippon Roen Igakai Zasshi 1991;28(5):683-7.
3. Mast A, Eelwaut A, Mortier G, Quatacker J, Defloor E, Roels H, Barbier F. Gastric xanthoma. Am J Gastroenterol 1976;65(4):311-7.
4. Domellöf L, Eriksson S, Helander HF, Janunger KG. Lipids islands in the gastric mucosa after resection for benign ulcer disease. Gastroenterology 1977;72(1):14-8.
5. Chen YS, Lin JB, Dai KS, Deng BX, Xu LZ, Lin CD, Jiang ZG. Gastric xanthelasma. Chin Med J (Engl) 1989;102(8):639-43.
6. Gencosmanoglu R, Sen-Oran E, Kurtkaya-Yapicier O, Tozun N. Xanthelasmas of the upper gastrointestinal tract. J Gastroenterol 2004;39(3):215-9.
7. Drude RB Jr, Balart LA, Herrington JP, Beckman EN, Burns TW. Gastric xanthoma: histologic similarity to signet ring cell carcinoma. J Clin Gastroenterol 1982;4(3):217-21.
8. Ludvikova M, Michal M, Datkova D. Gastric xanthelasma associated with diffuse signet ring carcinoma. A potential diagnostic problem. Histopathology 1994;25:581-2.
9. Collins MH, Olazagasti JC, Fitzgerald J. Gastric xanthomas in a child. J Pediatr Gastroenterol Nutr 1994;19(4):444-7.
10. Isomoto H, Mizuta Y, Inoue K, Matsuo T, Hayakawa T, et al. A close relationship between Helicobacter pylori infection and gastric xanthomas. Scand J Gastroenterol 1999;34:346–52.
11. Halabi I, Yaseen M, Vesoulis Z. Multiple Gastric Xanthomas in a 3-Year-Old Patient. Gastroenterol Hepatol (N Y) 2010;6(3):182-3.
12. Muraoka A, Suehiro I, Fujii M, et al. Type IIa early gastric cancer with proliferation of xanthoma cells. J Gastroenterol 1998;33:326-9.