Sintomas da doença celíaca

  • 0

Sintomas da doença celíaca

A forma clássica ou típica da doença celíaca é caracterizada por sintomas gastrointestinais que se iniciam geralmente entre seis e 24 meses de idade, após semanas ou poucos meses da introdução do glúten na dieta. Os sintomas da doença celíaca clássica incluem diarréia crônica, baixo ganho ou perda ponderal, distensão abdominal, dor abdominal, anorexia, vômitos, irritabilidade, palidez, diminuição do tecido celular subcutâneo e atrofia da musculatura glútea.

Estudos no Brasil e no Chile com crianças com doença celíaca clássica mostraram que os principais sintomas no momento do diagnóstico eram diarréia crônica, distensão abdominal e perda ponderal.

As fezes tornam-se amolecidas, pálidas, volumosas e muito fétidas devido à má absorção de gorduras. Raramente, os lactentes muito pequenos com início precoce dos sintomas podem se apresentar em “crise celíaca”, caracterizada por diarréia líquida explosiva, distensão abdominal importante, hipoproteinemia grave, edema, desidratação e choque, frequentemente com anormalidades eletrolíticas importantes, incluindo hipocalemia grave.Todavia, embora frequente, a diarréia não é um sintoma rigorosamente constante.

O crescimento é usualmente normal durante os primeiros meses de vida, ocorrendo progressiva diminuição do ganho ponderal com declínio do percentil do peso e do peso para estatura após o início dos sintomas gastrointestinais. Desnutrição severa, e mesmo caquexia, podem ocorrer se houver retardo no diagnóstico. Os sinais laboratoriais de má absorção incluem anemia por deficiência de ferro, hipoalbuminemia, hipocalcemia e deficiências vitamínicas.

Na forma clássica tardia da doença celíaca as manifestações gastrointestinais podem iniciar em qualquer idade após os dois anos. Os sintomas incluem diarréia intermitente, náuseas e vômitos, dor ou distensão abdominal, perda ponderal e constipação. Um estudo recente mostrou alta prevalência da doença celíaca (1,4%) entre adultos com sintomas dispépticos.


Bibliografia
1.Guideline for the diagnosis and treatment of celiac disease in children: Recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition. J Pediatr Gastroenterol Nutr 2005;40(1):1-19.
2.Fasano A, Catassi C. Current approaches to diagnosis and treatment of celiac disease: an evolving spectrum. Gastroenterology 2001; 120:636-651.
3.Sdepanian VL, Morais MB, Fagundes-Neto U. Doença Celíaca: a evolução dos conhecimentos desde sua centenária descrição original até os dias atuais. Arq Gastroenterol 1999;36(4):244-257.
4.Sdepanian VL, Morais MB, Fagundes-Neto U. Doença Celíaca: características clínicas e métodos utilizados no diagnóstico de pacientes cadastrados na Associação dos Celíacos do Brasil. J Pediatr (Rio J) 2001;77(2):131-138.
5.Koda YK, Barbieri D. Doença celíaca. Estudo clínico em 27 crianças: problemas no retardo diagnóstico. Pediatria (São Paulo) 1983;5(1):38-41.
6.Rosales JP, Wehba J, Fagundes-Neto U. Doença celíaca: aspectos diagnósticos e evolução clínica. Rev Paul Pediatr 1988;6:110-114.
7.Paulina CR, Magdalena AQ, Francisco AG, Bessie HM, Teresa AO, Eduardo CS. Estado actual del diagnóstico y presentaciones clínicas de enfermedad celíaca. Estudo multicêntrico. Rev Med Chile 2008;136:296-303.
8.Lima VM, Gandolfi L, Pires JAA, Pratesi R. Prevalence of celiac disease in dyspeptic patients. Arq Gastroenterol 2005;42:153-156.