Formas clínicas da doença celíaca

  • 0
Iceberg celíaco

Formas clínicas da doença celíaca

A doença celíaca é uma enteropatia imuno-mediada do intestino delgado desencadeada pela ingestão do glúten em indivíduos geneticamente susceptíveis.

Temos observado nas últimas três décadas que a expressão clínica da doença celíaca é mais heterogênea que o anteriormente pensado. Ao lado da clássica forma gastrointestinal, caracterizada por diarréia crônica, baixo ganho ou perda ponderal, distensão e/ou dor abdominal e vômitos em lactentes, uma série de outras manifestações clínicas e formas de apresentação previamente não reconhecidas têm sido descritas após o advento dos testes de triagem sorológica. Além disso, estudos mostram que a doença celíaca não é exclusiva da população pediátrica; o inicio dos sintomas pode ocorrer na fase adulta, após anos de doença silenciosa.

Com poucas exceções, a forma clássica da doença celíaca tem diminuído na maioria dos países europeus, com aumento na idade do inicio dos sintomas. Os sintomas gastrointestinais são ainda frequentes, mas podem ser leves ou intermitentes. As manifestações não gastrointestinais agora são tão comuns quanto às gastrointestinais e já não deveriam ser consideradas como “atípicas”.

Razões para a alteração da apresentação clínica e na idade do início dos sintomas não são inteiramente claras. Possibilidades incluem a influência de fatores ambientais, tais como maior tempo de aleitamento materno, atraso na introdução do glúten na dieta, alterações na qualidade e quantidade do glúten ingerido, e um maior conhecimento sobre a doença com consequente diminuição do limiar para investigação.

A distribuição das várias formas de apresentação clínica da doença celíaca tem sido comparada a um iceberg devido à existência de casos de apresentação sintomática, que corresponderiam à porção visível do mesmo, e os de apresentação assintomática, que corresponderiam à porção submersa do mesmo.

doenca celiaca iceberg celíaco

Manifestações clínicas da doença celíaca: o iceberg celíaco

Dependendo das características clínicas e das anormalidades histológicas e imunológicas no momento do diagnóstico, a doença pode ser subdividida nas seguintes formas clínicas: clássica ou típica, não clássica ou atípica, silenciosa ou assintomática, latente e potencial. Os pacientes com doença celíaca clássica, não clássica e silenciosa caracterizam-se por apresentar mucosa jejunal com atrofia subtotal das vilosidades intestinais, que revertem à normalidade com a introdução da dieta isenta de glúten, enquanto os pacientes com doença celíaca latente e potencial caracterizam-se por ausência de anormalidades morfológicas da mucosa, mesmo quando o indivíduo faz uso de dieta com glúten.


Bibliografia
1. Hill ID, Bhatnagar S, Cameron DJS, De Rosa S, Maki M, Russel GJ et al. Coeliac Disease: Working Group Report of the First World Congress of Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition. J Pediatr Gastroenterol Nutr 2002; 35(2):78-88.
2. Fasano A, Catassi C. Current approaches to diagnosis and treatment of celiac disease: an evolving spectrum. Gastroenterology 2001; 120:636-651.
3. Visakorpi JK, Mäki M. Changing clinical features of coeliac disease. Acta Paediatr Suppl 1994;83(395):10-13.
4. Ascher H, Holm K, Kristiansson B, Mäki M. Different features of coeliac disease in two neighbouring countries. Arch Dis Child 1993;69:375-380.
5. Ferguson A, Arranz E, O´Mahony S. Clinical and pathological spectrum of coeliac disease – active, silent, latent, potential. Gut 1993;34:150-151.
6. Troncone R, Greco L, Mayer M, Paparo F, Caputo N, Micillo M, Mugione P, Auricchio S. Latent and potential coeliac disease. Acta Paediatr 1996;85(412):10.
7. Sdepanian VL, Morais MB, Fagundes-Neto U. Doença Celíaca: a evolução dos conhecimentos desde sua centenária descrição original até os dias atuais. Arq Gastroenterol 1999;36(4):244-257.